domingo, 11 de julho de 2010

A vida é uma piada

"Nós vamos morrer, e isso nos torna os sortudos. A maior parte das pessoas nuncam vão morrer, porque nunca nascerão. As pessoas que podiam potencialmente estar aqui no meu lugar, mas que na verdade nunca vão ver a luz do dia, são mais do que os grãos de areia no Sahara. De certeza que estes fantasmas não nascidos incluem poetas maiores que Keats, cientistas maiores que Newton. Sabemos isto porque o conjunto de pessoas possíveis permitidas pelo nosso DNA ultrapassa em muito o conjunto de pessoas efectivamente nascidas. Na realidade destas assombrosas probabilidades somos tu e eu, na nossa mediania, que aqui estamos." É assim que Richard Dawkins encara a beleza da vida. Um dia iremos morrer, e todos nós sabemos disso. Não temos onde nos esconder. E viver? Quando nós nos permitimos viver? Só porque tivemos a sorte de estarmos vivos, significa que vivemos? Não é bem assim.
Muitas pessoas morrem bem antes do suspiro final. Vivem uma vida sem sentimento. Sem ousadia. Essas pessoas têm medo de arriscar, de sentir, de se expressar da forma que deseja. É ter a sorte de nascer e desperdiçá-la. Deixam isso de lado por acharem que estão velhos demais. "Qual seria a sua idade se você não soubesse quantos anos você tem?", diz Confúcio. E também, na maioria das vezes, por se importarem com o que os outros vão pensar. Também existem pessoas que nos matam mesmo sem perceber. Nossos pais, por exemplo, que acham que só por nós sermos dependentes deles se acham no direito de afogar o que sentimos no nosso peito, como já dizia Raul Seixas. Outro exemplo disso é a sociedade podre que nos cerca com seus padrões, que foram decididos pela maioria, que impõem formas de pensar e agir. O que é bom pra você, talvez não seja pra mim. E vice-versa.
Me veio na mente um pensamento de Charles Chaplin que diz o seguinte:"A coisa mais injusta sobre a vida é a maneira como ela termina. Eu acho que o verdadeiro ciclo da vida está todo de trás pra frente. Nós deveríamos morrer primeiro, nos livrar logo disso. Daí viver num asilo, até ser chutado pra fora de lá por estar muito novo. Ganhar um relógio de ouro e ir trabalhar. Então você trabalha 40 anos até ficar novo o bastante pra poder aproveitar sua aposentadoria. Aí você curte tudo, bebe bastante álcool, faz festas e se prepara para a faculdade. Você vai para colégio, tem várias namoradas, vira criança, não tem nenhuma responsabilidade, se torna um bebezinho de colo, volta pro útero da mãe, passa seus últimos nove meses de vida flutuando. E termina tudo com um ótimo orgasmo! Não seria perfeito?" Sim! Seria perfeito. A ordem normal disso tudo é muito triste. Envelhecer e está nos momentos finais é muito triste. O pior é não ter vivido e morrer sem deixar uma história contada, apenas lamentada. Morrer é a pior parte da vida, mas as pessoas têm mais medo de viver do que morrer. Não basta existir, é preciso saber viver.
"Se a vida não é só uma piada, então por que estamos rindo?"

CAÍQUE MATOS @caiquematos

4 comentários:

Bruna Rafaela disse...

só temos certeza da morte; http://brunarafaelaworld.blogspot.com/ meu blog <3
Parabéns pelo post

Ilka Cyana disse...

Não tenho tanta certeza da morte, assim como tenho certeza da vida...

é um texto bem bolado. Gosto.

Jimmy Medina disse...

Gostei do texto, velho....Concordo em tudo...Parabens por sintetizar tão bem as idéias...to esperando o proximo...heuheuheue

abraço

Leandro Luz disse...

Muito bom!
Esse pensamento do Chaplin é sensacional.
Voltarei aqui mais vezes.
Um abraço.